Sabe aquele pet que tem a carinha achatada? Os chamados branquicefálicos são raças que exigem um cuidado especial com sua saúde, confira as dicas para cuidar ainda melhor do seu cãozinho!

A origem dos braquicefálicos e o impacto na saúde

Os cães se tornaram braquicefálicos, devido à criação seletiva intensiva, com isso o tamanho do nariz vem sendo reduzido de tal forma que prejudicou gravemente o seu funcionamento.

Para o cão, a redução drástica da respiração nasal significa a perda do seu principal órgão termorregulador, impedindo-o de liberar o calor corporal. Além disso, os predispõem a Síndrome Braquicefálica, que causa anormalidade anatômica congênita das vias aéreas superiores, estenose dos orifícios nasais, prolongamento do palato mole e hipoplasia traqueal, podendo agravar o quadro, causando eversão dos sáculos laríngeos e colapso laríngeo.

Podem apresentar problemas, como, paralisia do nervo facial, hidrocefalia, prolapso da glândula da terceira pálpebra e dermatite de dobra cutânea, ocorre também o crescimento da mandíbula e maxila, levando a má oclusão dentária, ocorrendo à dificuldade para se alimentar, desgaste desigual dos dentes e perdas dentárias.

Quais são as raças braquicefálicas?

As raças braquicefálicas são observadas em Bulldog Inglês e Francês, Pequinês, Boxer, Pug, Shih Tzu, Boston Terriers, Lhasa Apso, Cavalier King Charles Spaniel, Brussels Griffon, Dogo Argentino, Chihuahua e entre essas raças o mais acometido é o Bulldog Inglês.

Os principais sintomas observados

Os sintomas respiratórios, irão depender do tipo da obstrução e da oclusão do fluxo de ar nas vias aéreas superiores, podendo ocorrer, respiração ruidosa, agonia respiratória, mucosa pálidas ou cianóticas, síncope, tosse, alteração vocal, engasgo, dispnéia, intolerância ao exercício, estridores e estertores, tentativas de vômito, sialorréia e espirros reversos.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito a partir de um exame completo das vias aéreas, incluindo exames de imagem, para uma avaliação total. 

Após o diagnóstico definitivo, a condição é tratada com o objetivo de reduzir o desconforto respiratório e prevenir a progressão da doença.

Então, se você tem um cão braquicefálico, faça uma avaliação com um médico veterinário e veja se é necessário algum cuidado extra, a fim de proporcionar mais qualidade de vida e bem estar ao seu amigão!

Sabrina Braga Knorr
Mestre em Saúde Animal
CRMV-RS 15469

Compartilhe Focinhos.Pet

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.